Epilepsia y El Cannabis Medicinal

Epilepsia y El Cannabis Medicinal | Kalapa Clinic

Beneficios

  • Anticonvulsivante
  • Efeitos neuroprotetores
  • Propriedades anti-inflamatórias
  • Trabalha para epilepsia refratária
  • Tratamento para epilepsia grave

Quer saber mais sobre o uso de cannabis em casos de epilepsia?

Temos uma equipa de especialistas à espera para responder a quaisquer perguntas

Os estudos sugerem que os canabinóides são benéficos como tratamento adjuvante para convulsões sofridas por pessoas com epilepsia e podem reduzi-los em uma grande percentagem.

Os canabinóides são muito úteis, são uma maneira segura de tratar casos de epilepsia refratária e não possuem a toxicidade dos medicamentos antiepiléticos convencionais. Um dos casos amplamente conhecidos é de uma menina, Charlotte Figi, dos Estados Unidos. Este é um caso famoso em que foi observada a eficácia do uso de cannabis medicinal, mesmo em epilepsias refratárias ou de difícil tratamento. Devido a casos como esse, as várias entidades e associações pediram o fim das restrições que limitam os ensaios clínicos e estudos sobre cannabis medicinal no tratamento desta doença.

Epilepsia

A epilepsia é definida como um distúrbio do sistema nervoso central caracterizado por uma predisposição para gerar convulsões de maneira descontrolada. Esses episódios podem, a longo prazo, causar danos graves a nível cognitivo e psicológico que podem limitar e condicionar a vida das pessoas afetadas [1].

Tratamento adjuvante para epilepsia

potencial terapêutico do CBD (canabidiol), um componente ativo da planta de cannabis, ganhou apoio nos últimos anos devido a evidências de estudos que concluem a sua utilidade no controle de crises em várias síndromes epilépticas [2] [3].

As propriedades anticonvulsivas do CBD e sua baixa toxicidade para o corpo [4] fazem dele uma ferramenta valiosa para o tratamento de várias síndromes epilépticas resistentes à medicação convencional [5] [6].

Vários estudos reconhecem o canabidiol como tendo um efeito protetor neuronal, o que significa que reduz a excitação excessiva dos neurônios [7], ajuda a preservar as capacidades cognitivas e reduz a progressão do dano produzido no sistema nervoso pelas convulsões repetitivas. Todas essas propriedades tornam o CBD um bom agente neuro-protetor [8] [9], sem as taxas de toxicidade ou risco de sobredosagem associadas ao uso prolongado de drogas antiepiléticas convencionais [10] [11].

Canábis e os seus efeitos na epilepsia

Vários estudos demonstraram os benefícios dos canabinóides no tratamento de pessoas com epilepsia. Na epilepsia refratária, um estudo de 2015 sobre o uso de extratos de cannabis por via oral em pacientes pediátricos com epilepsia mostrou melhora nos pacientes que usaram esse tratamento [13].

Além de reduzir as convulsões e ter um efeito neuroprotetor, o CBD também tem efeitos numa ampla gama de condições [14] que mencionamos abaixo:

  • Reduz a inflamação [15] [16]
  • Combate a distúrbios psicóticos [17]
  • Diminui a ansiedade
  • Reduz náusea e vômito [18]
  • Melhora o sono e aumenta a sensação de bem-estar [19]
  • Tem um efeito antioxidante neuronal

A epilepsia refratária e o uso de canabinóides

Estamos diante de um caso de epilepsia refratária quando as crises epiléticas são tão frequentes que limitam a capacidade do paciente de viver plenamente de acordo com os seus desejos e capacidade mental e física ou quando o tratamento anticonvulsivante não controla as crises e os seus efeitos colaterais limitam o normal desenvolvimento da pessoa.

Nos últimos 10 anos, a ocorrência de epilepsia refratária tem sido alta, apesar do surgimento de novos medicamentos antiepiléticos.

Dados epidemiológicos indicam que entre 20% e 40% dos pacientes com epilepsia recém-diagnosticada serão refratários ao tratamento.

Os fatores que são levados em consideração para determinar se um paciente responderá ou não ao tratamento com drogas antiepiléticas incluem [12]:

  • Tipo de epilepsia
  • A síndrome subjacente
  • A etiologia e a história do paciente
  • A densidade e o agrupamento das convulsões
  • A droga antiepiléptica em uso.

Bibliografía sobre la epilepsia y el uso de Cannabis Medicinal

[1] Robert Fisher, and other. ILAE Official Report: A practical clinical definition of epilepsy. April 2014 Volume 55, Issue 4 Pages 471–626, e25–e33.

[2] Devinsky O and other. Cannabidiol in patients with treatment-resistant epilepsy: an open-label interventional trial. Lancet Neurol. 2016 Mar;15(3):270-8.

[3] Devinsky O and other. Cannabidiol: pharmacology and potential therapeutic role in epilepsy and other neuropsychiatric disorders. Epilepsia. 2014 Jun;55(6):791-802

[4] Bergamaschi MM, Queiroz RH, Zuardi AW, Crippa JA. Safety and side effects of cannabidiol, a Cannabis sativa constituent. Curr Drug Saf. 2011 Sep 1;6(4):237-49.

[5] Devinsky O and other. Cannabidiol in patients with treatment-resistant epilepsy: an open-label interventional trial. Lancet Neurol. 2016 Mar;15(3):270-8.

[6] Fabio Arturo Iannotti and other. Nonpsychotropic Plant Cannabinoids, Cannabidivarin (CBDV) and Cannabidiol (CBD), Activate and Desensitize Transient Receptor Potential Vanilloid 1 (TRPV1) Channels in Vitro: Potential for the Treatment of Neuronal Hyperexcitability. ACS Chem. Neurosci., 2014, 5 (11), pp 1131–1141

[7] Hampson AJ, Grimaldi M, Lolic M, Wink D, Rosenthal R, Axelrod J. Neuroprotective antioxidants from marijuana. Ann N Y Acad Sci. 2000;899:274-82.

[8] Hampson AJ, Grimaldi M, Lolic M, Wink D, Rosenthal R, Axelrod J. Neuroprotective antioxidants from marijuana. Ann N Y Acad Sci. 2000;899:274-82.

[9] Campos AC, Fogaça MV, Sonego AB, Guimarães FS. Cannabidiol, neuroprotection and neuropsychiatric disorders. Pharmacol Res. 2016 Oct;112:119-127.

[10] Bergamaschi MM, Queiroz RH, Zuardi AW, Crippa JA. Safety and side effects of cannabidiol, a Cannabis sativa constituent. Curr Drug Saf. 2011 Sep 1;6(4):237-49.

[11] Gram L, Bentsen KD. Hepatic toxicity of antiepileptic drugs: a review. Acta Neurol Scand Suppl. 1983;97:81-90

[12] Jacqueline A. French. Refractory Epilepsy: Clinical Overview. TOC Volume 48, Issue s1 March 2007 Pages 3–7

[13] Press CA, Knupp KG, Chapman KE. Parental reporting of response to oral cannabis extracts for treatment of refractory epilepsy. Epilepsy Behav. 2015 Apr;45:49-52.

[14] Zuardi AW. Cannabidiol: from an inactive cannabinoid to a drug with wide spectrum of action. Rev Bras Psiquiatr. 2008 Sep;30(3):271-80.

[15] Burstein S. Cannabidiol (CBD) and its analogs: a review of their effects on inflammation. Bioorg Med Chem. 2015 Apr 1;23(7):1377-85

[16] Costa B and other.  Oral anti-inflammatory activity of cannabidiol, a non-psychoactive constituent of cannabis, in acute carrageenan-induced inflammation in the rat paw. Naunyn Schmiedebergs Arch Pharmacol. 2004 Mar;369(3):294-9

[17] Zuardi AW, Crippa JA, Hallak JE, Moreira FA, Guimarães FS. Cannabidiol, a Cannabis sativa constituent, as an antipsychotic drug. Braz J Med Biol Res. 2006 Apr;39(4):421-9

[18] Parker LA, Rock EM, Limebeer CL. Regulation of nausea and vomiting by cannabinoids. Br J Pharmacol. 2011 Aug;163(7):1411-22

[19] Carlini EA, Cunha JM. Hypnotic and antiepileptic effects of cannabidiol. J Clin Pharmacol. 1981 Aug-Sep;21(8-9 Suppl):417S-427S.

Notícias & Investigação

Investigação mais recente sobre canábis medicinal

Quer saber mais sobre o uso de cannabis e epilepsia?

Temos uma equipa de especialistas à espera para responder a quaisquer perguntas